UNTG DETERMINADO EM PROSSEGUIR COM A GREVE NA FUNÇÃO PUBLICA GUINEENSE ATE CUMPRIMENTO DO REAJUSTE SALARIAL

A União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), a Central Sindical da Guiné-Bissau, mostra-se determinada a prosseguir, de forma sucessiva, com a greve na função pública até o governo cumprir a nova grelha salarial, já promulgada pelo Presidente da República.

A garantia foi dada, nesta terça-feira, pelo porta-voz da Comissão Negocial da UNTG, José Alves Té, numa conferência de imprensa sobre o primeiro da paralisação na função pública guineense, na qual garante que o Central Sindical só está a exigir o cumprimento das promessas feitas pelo governo em Dezembro de 2016.

“A Central Sindical apenas exige o cumprimento das obrigações assumidas pelo governo. Neste sentido, alertamos ainda que estamos determinados a prosseguir com as sucessivas greves até que seja resolvido os nossos problemas, neste caso, aplicação do reajuste salarial”, afirmou Alves Té.

Segundo a indicação do sindicalista, a paralisação que iniciou nesta terça-feira atingiu 95% nas áreas da saúde pública, nos serviços das alfândegas, notariado e registo civil, ambos do Ministério da Justiça e ao nível do território nacional.

Aos jornalistas na sede principal da UNTG, em Bissau, Alves Té, garante que a Central Sindical, está aberto para dialogar com o executivo na busca do entendimento.

“O ideal é isso, é de negociarmos para chegarmos um entendimento, porque isso não nos leva a nenhum sitio, mas, a verdade é que faz todo sentido exigirmos os nossos direitos”, referiu Té.

Questionado pela imprensa sobre alguns sindicatos filiados na UNTG que não aderiram a paralisação, o sindicalista garante que o assunto vai ser analisado no fórum próprio da Central Sindical nos próximos dias.

Segundo apurou à Rádio Jovem, os sindicatos que demarcaram-se da greve, são do Comércio e o da administração pública.

A UNTG considerou de paradoxal o facto de existir uma descriminação entre os funcionários públicos e funcionários das empresas privadas no que concerne a segurança social.

O ordenado mínimo pago na Função Pública é de cerca de 30.000 francos cfa (cerca de 45 euros). Um saco de 50 quilogramas de arroz, base alimentar dos guineenses, ultrapassa os 20 euros.

A UNTG realizou entre 07 e 09 de maio uma greve de três dias a exigir o reajuste salarial e teve uma adesão de cerca de 85% em todo o país.

Esta segunda paralisação termina na quinta-feira, mas a Central Sindical reserva o direito de mobilizar os trabalhadores para desencadear uma greve semanal e sucessivamente até que seja tomada uma posição a favor dos trabalhadores.

Por: Alison Cabral

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

This Post Has One Comment

  1. Olá, obrigado pela vossa disponibilidade.
    Gostei muito do seu post, vou acompanhar o seu blog/site.
    Muito obrigado
    Manuela Silva

Deixe uma resposta

Close Menu