SISSOCO PONDERA APRESENTAR QUEIXA CRIME CONTRA ARISTIDES GOMES

SISSOCO PONDERA APRESENTAR QUEIXA CRIME CONTRA ARISTIDES GOMES

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau e candidato às eleições presidenciais, Umaro Sissoco Embaló, anunciou esta terça-feira, 05 novembro de 2019, que vai mover uma queixa crime contra o atual chefe do executivo guineense, Aristides Gomes.

Em causa está a recente denuncia feita por Aristides Gomes, na sua página oficial no facebook, sobre alegada tentativa de golpe de Estado para impedir a realização das eleições presidenciais de 24 de novembro. Gomes acusa diretamente o Sissoco como responsável pela tentativa.

Em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira, de regresso à capital senegalesa, Dakar, Sissoco Embaló, acusa alguns elementos da Polícia Judiciária guineense (PJ) de estarem envolvidos na alegada manipulação de um áudio posta a circular nas redes sociais com alegada voz de Sissoco a incentivar golpe.

“Eu sei quem são as pessoas que fizeram aquelas montagens, alguns são elementos da PJ e Aristides Gomes vai provar na Justiça onde saiu com aquele audio”, afirmou Sissoco Embaló, na presença dos altos dirigentes do seu partido, o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15).

Embaló fez lembrar ao líder do executivo guineense, que nunca participou num Golpe de Estado contra qualquer dirigente político deste país.

Sobre a recente crise política no país após o decreto da exoneração de Gomes como primeiro-ministro, o candidato às eleições, mostrou-se contra a postura adoptada pela comunidade internacional em não reconhecer o executivo liderado por Faustino Imbali.

Segundo Embaló, os parceiros internacionais sempre fizeram erro na avaliação sobre a situação política na Guiné-Bissau, dando como exemplo o posicionamento da Comunidade Internacional na Líbia, Iraque, Somália e outros países.

Aos jornalistas, o candidato suportado pelo Madem G-15, mostra-se magoado com os parceiros internacionais, nomeadamente Angola, Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) e os Estados Unidos da América, porque entende que foram manipulados sobre a situação política do país.

A Guiné-Bissau inaugurou na semana passada um capítulo novo e imprevisível da crise dramática em que está mergulhada nos últimos 5 anos.

Mesmo com a rejeição da comunidade internacional, o Chefe de Estado guineense e candidato a sua reeleição, José Mário Vaz, conferiu posse o novo primeiro-ministro guineense, Faustino Imbali, na Presidência guineense.

O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, cuja nomeação resultou de eleições legislativas de março passado, disse que se vai manter no cargo apesar de o Chefe de Estado o ter exonerado.

Uma missao do alto nivel da CEDEAO, que esteve em Bissau no ultimo de semana, ameaçou aplicar sanções aos políticos guineenses que perturbarem as eleições presidenciais no próximo dia 24 e encorajaram o primeiro-ministro, Aristides Gomes, a continuar a organização do escrutínio.

A missão antecede uma cimeira extraordinária dos chefes de Estado e de Governo da organização, que vai decorrer sexta-feira no Níger para tratar especificamente da crise política na Guiné-Bissau.

Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu