REUNIÃO ENTRE PARTIDOS COM ASSENTO PARLAMENTAR TERMINA SEM CONSENSO

REUNIÃO ENTRE PARTIDOS COM ASSENTO PARLAMENTAR TERMINA SEM CONSENSO

Uma reunião convocada pelo presidente do Parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassama com os líderes de partidos políticos com assento parlamentar terminou esta terça-feira, 23 de abril de 2019, sem consenso.

O encontro que decorreu no hemiciclo guineense, tinha como objetivo encontrar solução para a composição da mesa que irá dirigir o Parlamento do país, durante 4 anos.

O impasse está a volta do nome proposto pelo Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), para o lugar do segundo vice-presidente do parlamento e o lugar do primeiro secretário do mesmo órgão.

Em declaração à imprensa após várias horas de concertação, o segundo vice-presidente da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU/PDGB), Armando Mango, revelou que as partes vão continuar a dialogar em busca de consenso.

“A reunião não se concluiu, ainda vai continuar para que haja um diálogo neste sentido para ultrapassar essa dificuldade”, referiu Mango.

Mango, que é jurista de profissão, referiu que o APU/PDGB está aberto para dialogar em busca de consenso com base na regra estabelecida ou negociada.

Sola N´Quilin Na Bitchita, dirigente do Partido da Renovação Social (PRS), fez lembrar aos jornalistas que o regimento do parlamento guineense diz que os lugares na mesa são atribuídos de forma representativa.

Aos jornalistas, N´Quilin Na Bitchita disse que não resta dúvidas de que o lugar do primeiro secretário da mesa do parlamento é do PRS.

Na cerimónia que reconduziu Cipriano Cassama como líder do hemiciclo, o impasse deu-se quando a candidatura de Braima Camara foi chumbado pelos parlamentares, como segundo vice-presidente do parlamento.

A saída do encontro, o líder do MADEM-G15, Braima Camara, reafirmou a posição do movimento em manter o seu nome para ocupar o posto, em observância do dispositivo legal que diz que caberá ao segundo maior votado a indicação do segundo vice-presidente do parlamento.

O líder do Partido Africano da Independência da Guine e Cabo-verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira disse que o partido está determinado a respeitar as regras do jogo, ou seja, o regimento do parlamento, que determina a lógica da representatividade que indica a composição da mesa.

Simões Pereira considera que não é possível subverter as regras regimentais estabelecidas pelo fato de o MADEM achar que o coordenador é que deve ocupar o lugar do segundo vice-presidente do parlamento.

De recordar que o PAIGC, foi vencedor das legislativas conquistando 47 dos 102 mandatos no parlamento, propôs a eleição de Cipriano Cassamá, o que foi aprovado, e ainda apresentou Nuno Nabian, líder da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU/PDGB), que também foi eleito ao cargo de primeiro vice-presidente do órgão legislativo.

O líder do hemiciclo guineense, Cassama agendou para amanhã, quarta-feira uma sessão para a composição da mesa que irá dirigir aquele órgão.

Por: Alison Cabral

Deixe uma resposta

Close Menu