PRS responsabiliza PAIGC pelo atraso na formação do novo Governo na Guiné-Bissau

PRS responsabiliza PAIGC pelo atraso na formação do novo Governo na Guiné-Bissau

O Partido da Renovação Social, terceira força política no novo parlamento da Guiné-Bissau, responsabiliza o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde, vencedor das eleições, pelos atrasos na formação do Governo, após as legislativas de março.

Em comunicado, o Partido da Renovação Social (PRS) considera uma “irresponsabilidade” e uma “interpretação abusiva” a forma como o PAIGC está a analisar e a pretender aplicar as normas para a composição da mesa que irá dirigir o novo parlamento saído das eleições.

Os dois partidos não se entendem quanto à titularidade do lugar de primeiro secretário da mesa parlamentar, com cada um a defender que o lugar lhe pertence, tendo em conta os resultados da votação de 10 de março.

O PRS intentou uma ação judicial no Tribunal Regional de Bissau, exigindo que lhe seja atribuído o lugar, invocando o regimento do parlamento.

Para o PAIGC, o PRS “está com manobras” para desta forma levar o Presidente guineense, José Mário Vaz, a atrasar a formação do novo Governo, mesmo sabendo que uma coisa não tem nada que ver com outra, disse o partido liderado por Domingos Simões Pereira.

No comunicado do PRS lê-se que a ausência de entendimento na formação da mesa do parlamento é que está na origem da formação do executivo.

“Não se pode pôr o carro à frente dos bois, se o Governo é uma emanação da ANP” (Assembleia Nacional Popular), reforça o comunicado do PRS, assinado pelo líder, Alberto Nambeia.

O parlamento da Guiné-Bissau está dividido em dois grandes blocos, um, que inclui o PAIGC, a APU-PDGB, a UM e o PND, com 54 deputados, e outro, que juntou o Madem-G15 e o Partido de Renovação Social, com 48.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu