PRS critica parcialidade da comunidade internacional durante crise na Guiné-Bissau

PRS critica parcialidade da comunidade internacional durante crise na Guiné-Bissau

O Partido de Renovação Social (PRS) criticou hoje a falta de imparcialidade da comunidade internacional durante a crise político-institucional que a Guiné-Bissau viveu nos últimos três anos.

Num discurso proferido por ocasião da cerimónia de tomada de posse dos 102 deputados eleitos nas legislativas de 10 de março, o deputado do PRS Sola N’Quilin, em representação do presidente do partido, Alberto Nambeia, começou por afirmar que o ato de hoje deve “testemunhar o fim da alegada crise político-institucional instalada logo após as eleições legislativas de 2014”.

“É importante dizer que o dia de hoje em celebração tornou-se realidade graças ao empenho e maturidade política de todos os atores políticos guineenses e a sua sociedade civil organizada”, afirmou.

O deputado agradeceu também à comunidade internacional por, apesar da complexidade do ambiente político vivido, ter apoiado o povo guineense.

“Porém, é justo aqui dizer que em certos momentos do processo esta mesma comunidade internacional, infelizmente, esteve aquém da imparcialidade que devia caracterizar a sua atuação e fazemos fé que essa conduta parcial e injusta seja corrigida nas próximas oportunidades a bem da nossa Guiné-Bissau”, afirmou, provocando um burburinho na sala e levando o presidente do parlamento, Cipriano Cassamá, a pedir silêncio.

Segundo o deputado, o novo parlamento tem um trabalho “árduo”, mas “gratificante”, na “busca de grandes consensos reformistas, que nas circunstâncias atuais valem mais do que todas as engenharias políticas apresentadas e escondidas até agora e que se destinam ao jogo político que hoje se inicia”.

“Neste esgrimir de argumentos políticos a bem da Nação, a paciência, o espírito de cedência mútuo, a humildade, o bom senso e o amor à Pátria serão os elementos catalisadores neste espaço”, afirmou.

O PRS elegeu 21 mandatos nas legislativas de 10 de março, passando a ser a terceira força política da Assembleia Nacional Popular.

O PRS e o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15) assinaram um acordo de incidência parlamentar, tendo em conjunto 48 deputados.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu