PRS alerta que lei da Guiné-Bissau não prevê correção de omissões dos cadernos eleitorais

PRS alerta que lei da Guiné-Bissau não prevê correção de omissões dos cadernos eleitorais

O Partido da Renovação Social (PRS) alertou hoje que a legislação da Guiné-Bissau não prevê correção de omissões dos cadernos eleitorais, mas apenas o recenseamento eleitoral e a sua atualização.

“Como sabem a nossa lei diz que a Guiné-Bissau só tem dois tipos de recenseamento, o de raiz ou a atualização. Entretanto, esta correção nós não sabemos enquadrá-la e foi exatamente essa preocupação que nos trouxe ao Presidente para que todos em conjunto possamos ver como podemos ter um recenseamento bem acabado”, afirmou o líder parlamentar do PRS, Sola N’Quilin.

O dirigente do PRS, terceiro partido mais votado nas legislativas de 10 de março na Guiné-Bissau, falava no final de uma audiência com o Presidente guineense, José Mário Vaz.

Sola N’Quilin respondeu à Lusa que a correção dos cadernos eleitorais não era uma exigência do PRS, mas salientou que o partido acha que todas as pessoas recenseadas devem ter oportunidade de votar.

“Não há correção na nossa lei. O que está a ser feito hoje é a correção”, afirmou o líder parlamentar do PRS, sublinhando que deve ser feito um recenseamento de raiz ou uma atualização.

O Governo da Guiné-Bissau apresentou na sexta-feira o Plano Operacional para a Consolidação do Registo Eleitoral para as eleições presidenciais, marcadas para 24 de novembro.

A iniciativa prevê corrigir os dados de cerca de 25.000 eleitores, que foram recenseados, mas cujo nome não constava nos cadernos eleitorais e foram impedidos de votar nas legislativas.

A correção das omissões e consolidação dos cadernos eleitorais deveria ter começado no sábado, mas, em comunicado divulgado hoje, o Ministério da Administração Territorial adiou o início das operações para quinta-feira, na sequência de um encontro durante o qual foram recebidos importantes sugestões.

Sobre quem será o candidato do PRS às eleições presidenciais, o dirigente do partido disse que será “conhecido oportunamente”.

A semana passada, o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), que tem um acordo de incidência parlamentar com o PRS, já tinha sugerido a atualização do recenseamento eleitoral ou a realização de um novo processo para as eleições presidenciais.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu