PRS afirma que cessação de poderes do Presidente guineense é atentado à democracia

PRS afirma que cessação de poderes do Presidente guineense é atentado à democracia

O Partido de Renovação Social (PRS) considerou hoje que a resolução do parlamento da Guiné-Bissau que cessa poderes do Presidente da República, José Mário Vaz, é um atentado à democracia e uma “estratégia diabólica para um golpe de Estado”.

Num comunicado divulgado nas redes sociais, o partido, o terceiro mais votado nas legislativas de 10 de março na Guiné-Bissau, refere que a resolução aprovada “constitui um atentado às regras constitucionais e à democracia”.

Para o PRS, que não esteve presente quinta-feira no parlamento para a discussão e votação da resolução, a aprovação do documento faz parte de um “estratégia diabólica que tem como finalidade um golpe de Estado para subverter a ordem constitucional”.

A maioria dos deputados da Assembleia Nacional Popular (parlamento do país) aprovou na quinta-feira uma resolução que determina a cessação imediata das funções constitucionais do Presidente da República e a sua substituição no cargo pelo presidente do parlamento.

A crise política continua na Guiné-Bissau depois de José Mário Vaz, que terminou o seu mandato de cinco anos no domingo, ter recusado por duas vezes nomear para o cargo de primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, presidente do PAIGC, partido mais votado nas eleições de 10 de março.

O vencedor das eleições acabou por indicar Aristides Gomes, nome aceite pelo Presidente, que, no entanto, não nomeou o Governo indicado pelo novo primeiro-ministro até ao dia 23 de junho, violando assim o prazo estipulado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para o fazer.

José Mário Vaz marcou eleições presidenciais para 24 de novembro.

Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu