PROCESSO “ARROZ DE POVO: LGDH ENCORAJA PJ A PROSSEGUIR COM AS INVESTIGAÇÕES

PROCESSO “ARROZ DE POVO: LGDH ENCORAJA PJ A PROSSEGUIR COM AS INVESTIGAÇÕES

A Liga Guineenses dos Direitos Humanos (LGDH), anunciou esta terça-feira, 09 de abril de 2019, na sua página oficial que apoia sem reservas, as investigações em curso da Policia Judiciária (PJ), tendente ao esclarecimento cabal do destino dado ao arroz doado pelo governo Chines a Guiné-Bissau.

De acordo com a LGDH, o combate sem tréguas contra a corrupção nas suas múltiplas dimensões, constitui um passo importante em direção a moralização da sociedade e consequente resolução dos graves problemas sociais e econômicos com que o país depara.

Perante este cenário, a organização liderado por Augusto Mário da Silva está vigilante e pronta para denunciar quaisquer manobras que visam impedir a PJ prosseguir com as suas ações de investigações, e, por conseguinte, obstruir a realização da justiça.

De recordar que no dia 03 do mês em curso, a PJ anunciou ter apreendido 104 toneladas de arroz oferecidos á Guiné-Bissau pelo governo da China, em Bafatá, leste do país.

No dia seguinte, o ministro da Agricultura, afirmou, que o arroz apreendido pela PJ, foi colocado no referido armazém em Bafatá pelo próprio Ministério, com o conhecimento do primeiro-ministro, Aristides Gomes.

Em reação, o primeiro-ministro, Aristides Gomes referiu que como forma de assegurar a transparência na distribuição do arroz sempre instruiu ao ministro da Agricultura que o armazenamento do referido produto continue em Bissau e que as operações sejam efetuadas a partir daí na sua presença enquanto chefe do governo.

No sabado último, a PJ anunciou ter apreendido cerca de 15 toneladas de arroz oferecidos á Guiné-Bissau pelo governo da China, na casa de Botché Candé em Bafatá, leste do país.

Já nesta segunda-feira, 08 de abril, a PJ recuperou 36 toneladas de arroz doado pela China na quinta do ministro da Agricultura. O arroz foi retirado em três armazéns improvisados na localidade de Tchalana, setor de Mansoa, há 70 kms de Bissau.

Segundo informações disponíveis, o Inspetor e Coordenador das Operações da PJ, Fernando Jorge, vai ser ouvido no dia 12 do mês em curso no Ministério Publico guineense.

Embora ainda não se sabe a que título, numa altura em que a investigação chegou a uma fase decisiva no que diz respeito à recolha de elementos probatórios que irão instruir o processo.

Em 2018, o embaixador da China na Guiné-Bissau, Jin Hong Jun entregou as autoridades guineenses cerca de 2.638 toneladas de arroz oferecido ao povo guineense.

Por: Alison Cabral

Fonte: LGDH

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu