“PREÇOS DOS PRODUTOS DA PRIMEIRA NECESSIDADE PODERÁ BAIXAR NA PRÓXIMA SEMANA”

“PREÇOS DOS PRODUTOS DA PRIMEIRA NECESSIDADE PODERÁ BAIXAR NA PRÓXIMA SEMANA”

Os preços dos produtos da primeira necessidade, nomeadamente o arroz nos mercados do país, irão baixar drasticamente na próxima semana, anunciou hoje o Executivo, através do ministro da Função Publica.

A decisão acontece meses depois dos cidadãos estão a criticar a passividade do Governo face a arbitrariedade do que se verifica na fixação dos preços de produtos da primeira necessidade, sem fundamentos plausíveis.

Segundo Tumane Balde, o executivo já tem em mãos todos os elementos necessário para fazer baixar os preços dos produtos em diferentes mercados do país.

“O Governo já tem na mão os preços e falta neste momento sentar com os empresários para analisar melhor, depois será levada ao conselho de ministros para ser apresentado, portanto estamos num bom caminho. Nas estruturas económicas de arroz todos elementos participam para analisar e objectivo é fazer baixar até 16,500xof” informou Tumane Balde.

O governante falava a imprensa no final da reunião do Conselho de Concertação Social presidido pelo Chefe do Executivo, onde foi analisado vários assuntos entre os quais o pré-aviso de greve entregue pela União Nacional dos Trabalhadores (UNTG) para o próximo de agosto reivindicando melhor condição laboral.

Confrontando com a situação de greve, Tumane Balde, assegurou que o governo vai fazer tudo possível para cumprir com as exigências “UNTG”. Acrescenta ainda que o que aconteceu é falta da comunicação entre duas comissões. “Greve é um direito que assiste qualquer funcionário de maneira somos obrigados a respeitar e esperamos que haverá solução para ultrapassar a greve” assegurou governante.

Reagindo a intenção do Governo, o Secretário-geral da Confederação geral dos Sindicatos Independentes, Filomeno Cabral, mostrou-se satisfeito com a decisão do governo de baixar os preços dos produtos nos mercados.

“Esperamos na reunião do conselho de Ministros o governo, dará instruções ao ministro do comércio e finanças, a fim nos trazer uma proposta concreta no próximo encontro para baixar o preço de arroz dentro em breve” exortou Filomeno Cabral no final de encontro.

Entre as exigências, a central sindical exige equiparação de salários no serviço público e o pagamento integral da dívida de 2003, ano em que funcionários públicos ficaram dez meses sem receber os ordenados.

A principal reclamação é que os trabalhadores estão sem capacidade financeira para adquirir produtos básicos, como o arroz.

//Rolando Batista e Alison Cabral

Deixe uma resposta

Close Menu