PR DE CABO VERDE PEDE DIÁLOGO PARA RESOLVER IMPASSE POLÍTICO NA GUINÉ-BISSAU

PR DE CABO VERDE PEDE DIÁLOGO PARA RESOLVER IMPASSE POLÍTICO NA GUINÉ-BISSAU

O Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, disse hoje que a melhor ajuda para resolver o novo impasse político na Guiné-Bissau é favorecer o diálogo e definir o interesse nacional como prioridade.

“Para mim, o diálogo é que é fundamental ali. Há coisas que só os guineenses podem resolver”, afirmou o chefe de Estado cabo-verdiano, à saída da reunião do Conselho da República, que tinha outro tema central na agenda, mas abordou o impasse político na Guiné-Bissau, após uma declaração do antigo Presidente cabo-verdiano Pedro Pires.

A Guiné-Bissau está a viver um novo impasse político que teve início com a eleição dos membros da mesa da Assembleia Nacional Popular e por falta de indigitação do primeiro-ministro e a nomeação de um Governo.

Para Jorge Carlos Fonseca, as pessoas devem sentar-se e conversarem e, através do diálogo, resolver o problema da eleição do segundo vice-presidente do parlamento.

“Há um regimento, há algumas regras, mas dialogando podem chegar a um entendimento, mesmo que não sejam as posições que cada um defende como prioridade, mas devem ver que o fundamental é o interesse nacional de normalização, que possa levar ao desenvolvimento e ao progresso que tanto almejam os guineenses. Creio que a melhor ajuda é favorecer o diálogo entre as partes na Guiné-Bissau”, continuou o chefe de Estado cabo-verdiano.

Jorge Carlos Fonseca entendeu ainda que a Guiné-Bissau precisa de ter um Governo, de políticas públicas e de normalização institucional.

O também presidente em exercício da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CLPP) disse que os conselheiros da República recomendaram um acompanhamento da situação atual “muito mais de perto” e avaliar o que a comunidade poderá fazer no curto prazo.
“A ideia é ver se num curto prazo, com a CPLP, arranjamos uma forma de procurar ajudar a resolver o impasse em que a situação se encontra neste momento”, sustentou, considerando que é preciso um “olhar mais atento” à situação no país.

Na quarta-feira, secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, disse que a situação da Guiné-Bissau “é complexa”, considerando que não há condições para a visita de altos responsáveis da organização ao país.

Jorge Carlos Fonseca, que antes das eleições legislativas guineenses, em 10 de março, desmarcou uma visita ao país enquanto presidente em exercício da CPLP, afirmou que a situação será reavaliada.

“Posso num certo momento achar que a situação não é propícia a uma deslocação e, rapidamente, com o evoluir das coisas, pensar de forma diferente. Não há avaliações definitivas em situações como essas”, explicou.

O Presidente da República garantiu que nunca tomaria uma decisão de visitar a Guiné-Bissau sem ouvir o secretário-executivo e outros chefes de Estado membros da comunidade lusófona.

Após as sugestões de Pedro Pires e outros conselheiros da República, Jorge Carlos Fonseca disse ainda que nos próximos dias também deverá ter uma conversa sobre o assunto com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares.

Questionado se a posição da CPLP em relação à Guiné-Bissau, Jorge Carlos Fonseca disse que cada situação é diferente e deve ser sempre analisada e avaliada para ver onde se pode “ajudar e não atrapalhar”.

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe.

Fonte: Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu