PJ GUINEENSE DETERMINADO EM CONTINUAR A INVESTIGAR O PROCESSO DE ARROZ DO POVO

PJ GUINEENSE DETERMINADO EM CONTINUAR A INVESTIGAR O PROCESSO DE ARROZ DO POVO

A Policia Judiciária da Guiné-Bissau (PJ), reitera a sua firme determinação em continuar a investigação no processo de “Arroz do Povo”, que envolve o ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos, em observância escrupulosa da lei, para a descoberta da verdade material dos fatos e a consequente tradução a justiça de todos os envolvidos.

Num comunicado, divulgado à imprensa esta segunda-feira, 29 de abril de 2019, na qual a instituição considera de ilegal a decisão do Ministério Publico guineense (MP), que ordenou à PJ que devolva o arroz apreendido e visa essencialmente obstruir a justiça com o único propósito de proteger interesses obscuros.

De acordo com o mesmo comunicado a PJ ordena a abertura da investigação (designada “Operação Cara de Pó”) contra o magistrado Blimat Sanha por haver indícios suficientes da prática dos crimes de prevaricação e corrupção passiva.

Na nota que a Rádio Jovem teve acesso, a instituição manifesta a sua estupefação com excesso de zelo de Blimat Sanha em tentar a todo custo autoproclamar a titularidade do processo, sem no entanto ser o magistrado territorialmente competente, proferindo despachos sem ter acesso aos autos e conteúdos do inquérito preliminar que até ao momento está sob a alçada da PJ.

A PJ alerta também o MP, enquanto titular de ação penal, a sua conduta deve primar-se aos princípios da legalidade, igualdade e imparcialidade. Por fim, a PJ reitera o seu total apoio e confiança nos trabalhos de investigação conduzidos pelos seus brilhantes inspetores no processo de “Arroz do Povo”.

De recordar que a PJ apreendeu no âmbito de uma operação, denominada “Arroz do Povo”, várias centenas de toneladas de arroz doado pela China, que segundo aquela força de investigação criminal estava a ser preparado para venda ao público.

O arroz apreendido estava num armazém em Bafatá, propriedade do antigo ministro do Interior Botché Candé, e numa quinta do ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos. No âmbito da operação, a PJ tentou ainda deter o ministro da Agricultura, mas foi impedida pelas forças de segurança.

Na quinta-feira passada, o Procurador-Geral da República, Bacari Biai, advertiu a Policia Judiciaria guineense (PJ), a respeitar os parâmetros legais em qualquer processo de investigação, incluindo o processo de “Arroz do Povo”, que envolve o ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos.

Para Biai a investigação e a procura de verdade dos fatos não se faz a todo custo, mas sim em conformidade com ditames da lei do país.

Por: AC  

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu