Mulheres guineenses querem o próximo parlamento com 40% de deputadas

Mulheres guineenses querem o próximo parlamento com 40% de deputadas

A presidente da plataforma política das mulheres (PPM) guineenses, Silvina Tavares, entregou hoje ao líder do parlamento, Cipriano Cassamá, um anteprojeto de lei que esperam venha a ser adotado, permitindo que a próxima legislatura tenha pelo menos 40% de deputadas.

Atualmente, o parlamento guineense, composto por 102 deputados, conta com 14 mulheres.

A presidente da PPM, entidade integrada por organizações sociais e políticas de mulheres, disse aos jornalistas que Cipriano Cassamá prometeu sensibilizar as bancadas parlamentares sobre a necessidade de o tema ser agendado e, eventualmente, aprovado já na sessão parlamentar que começa na segunda-feira, dia 23.

“Há que haver uma lei que imponha o número de mulheres nas litas eletivas, cabeças de listas, dos partidos para as eleições legislativas”, defendeu Silvina Tavares, que admite ser uma discriminação positiva “necessária e urgente” na Guiné-Bissau.

A presidente da PPM espera que os partidos acolham a ideia e aceitem aprovar a lei que, defende, vai trazer “bons reflexos” ao parlamento e à governação do país.

As mulheres representam cerca de 52% da população, mas a presidente da rede das mulheres parlamentares, Suzy Barbosa, não entende “como é que apenas 10% têm participação na política e apenas 25% ocupam cargos na administração pública”.

Volvidos cerca de 25 anos desde a abertura do país ao pluralismo político, o parlamento passou de 30 deputadas para 14 a partir das últimas eleições legislativas, realizadas em 2014, refere ainda Barbosa, uma das principais vozes pela emancipação da mulher guineense, igualdade e equidade entre os géneros.

Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu