LIDER DA UNIAO PARA MUDANÇA ADMITE COLIGAÇAO NAS LEGISLATIVAS

LIDER DA UNIAO PARA MUDANÇA ADMITE COLIGAÇAO NAS LEGISLATIVAS

O presidente da União para Mudança (UM) da Guiné-Bissau, revelou este domingo (05.08), que o partido que dirige está a ponderar coligar com outras forças políticas nas próximas eleições legislativas marcadas para o mês de Novembro do ano em curso no país.

Ângelo Regalla, abriu esta possibilidade no final do IV Congresso Ordinário da UM, onde foi reeleito líder do partido para um mandato de quatro anos, com 1.119 votos, num universo de 1.121 delegados presente no Congresso, sob lema: “Por uma Guiné-Bissau positiva”.

Aos jornalistas, Regalla garante que a UM vai preparar condições para que o partido possa participar de forma condigna e efectiva no escrutínio de 18 de Novembro do ano curso no país.

“O partido tem pouco tempo, mas vamos criar as condições para podermos participar nas eleições legislativas de 18 de Novembro de 2018. Este é objectivo essencial que nós temos, que temos por periodizar, portanto temos pouco tempo para restaurar as nossas bases e para estabelecer uma estratégia de campanha. Neste sentido a União para Mudança pondera ir na quadra da aliança com outras forças politicas com quem comunga os mesmos ideias no ato eleitoral”, explicou Regalla.

De acordo com Regalla, esta aliança vai permitir criar condições num futuro próximo após eleições legislativas para que possa haver estabilidade, paz e o desenvolvimento socioeconómico da Guiné-Bissau.

O líder da UM, entende que é fundamental trabalhar no sentido evitar a crise política dos últimos três anos, que envolveu o Chefe de Estado, José Mário Vaz, o partido vencedor das eleições legislativas, o Partido da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC) e os demais atores políticos guineenses.

“Porque nós pensamos que não pode acontecer mais aquilo que aconteceu nesta legislatura, não podemos continuar a perder mais tempo, perdemos três anos, perdemos tudo aquilo que tínhamos conseguimos na mesa redonda de Bruxelas, perdermos toda a credibilidade que o país vinha ganhando, com estabilidade que havia sido alcançado após eleições de 2014, por isso, não podemos mais perder mais tempo com esta situação”, sublinhou Regalla.

A ocasião serviu para o presente da UM, saudar a intermediação da CEDEAO, em particular, os presidentes Alpha Condé da Guiné-Conacri, Ernest Bai Koroma da Serra Leoa e Faure Gnassingbé do Togo, pelos seus valiosos contributos na busca de uma solução para a saída da crise politica na Guiné-Bissau.

De referir que na disputa a liderança do partido estavam três candidatos (Agnelo Regalla, Sene Djassi e Roquiato Indjai), mas antes da votação os dois acabaram por apoiar o presidente reeleito do partido.

O Congresso que decorreu durante dois em Bissau, concretamente nas instalações do polivalente da escola superior da educação e dos desportos (ENEFD), foi antecedida pela primeira Convenção da Juventude do partido (JUM), onde Mustafa Fati foi eleito secretário-geral do órgão juvenil da UM.

O presidente do partido revela que um dos seus grandes objetivos para os próximos tempos é criar uma juventude forte, unida, coesa e capaz de agir na política com maior elevação, com participação das mulheres e jovens.

Por: Alison Cabral
Foto: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Google+
Google+
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu