JOVEM LUSO-GUINEENSE QUEIXA-SE DE AGRESSÕES RACISTAS NA POLÓNIA

JOVEM LUSO-GUINEENSE QUEIXA-SE DE AGRESSÕES RACISTAS NA POLÓNIA

Linda Pereira conta que foi espancada num bar juntamente com amigos italianos e espanhóis.

Uma estudante portuguesa de origem guineense queixa-se de agressões com motivação racista na localidade de Sosnowiec, região polaca da Silésia, contando que ela e os amigos, espanhóis e italianos, foram espancados num bar sem que ninguém os ajudasse.

“Pisavam-me, pisavam-me. Se as espanholas não tivessem descido, acho que teria sido muito pior. Eu mal conseguia levantar-me, ele continuava a pisar-me, a pisar-me, a dar-me socos, pontapés. Ninguém o parava”, contou Linda Pereira à Lusa.

A agressão começou por ser dirigida a si, por parte de um alegado segurança do bar. Depois de os amigos intervirem também foram agredidos, juntando-se mais homens à agressão, perante a passividade das pessoas, que “continuaram a dançar”, enquanto “as empregadas riam”.

Assim que conseguiu escapar para fora do bar, gritando por ajuda em inglês — “help, help” -, deparou-se com a mesma passividade: “Ninguém nos ajudava”, disse.

Depois de chamarem o 112 e de a polícia chegar, também a atitude das autoridades a deixou “chocada, estupefacta”, referiu Linda Pereira, em lágrimas: “Pediram-nos a identificação, mas a mim, particularmente, parecia que o meu bilhete de identidade português não era suficiente para justificar que era portuguesa. Enquanto os outros mostraram o seu BI, a mim estavam a exigir o passaporte”.

Linda Pereira tem 25 anos, é estudante de Sociologia, já licenciada pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, e está na Polónia ao abrigo do programa Erasmus + e também como voluntária do Corpo Solidário Europeu, lidando com crianças em situação de vulnerabilidade emocional e social.

Após este episódio, em que os cinco jovens receberam tratamento médico e uma das jovens espanholas teve de ser hospitalizada, Linda tentou contactar a embaixada de Portugal em Varsóvia, mas não conseguia chegar à fala com ninguém.

Expôs a situação nas redes sociais, tendo conseguido a ajuda da Associação Mulheres sem Fronteiras e da SOS Racismo. Posteriormente recebeu o apoio do cônsul português, que se deslocou a sua casa para se inteirar da situação.

Linda Pereira contou que houve outros pequenos episódios de racismo ao longo da sua estadia em Sosnowiec, que foi tentando ignorar: num centro comercial, puxaram-lhe o cabelo; num elétrico apinhado, um homem insultou-a e simulou um tiro com gestos, perante a passividade dos restantes passageiros.

Após o episódio no bar, que despoletou a solidariedade de associações locais, também recebeu mensagens racistas pelas redes sociais, que conseguiu perceber através do sistema de tradução automática.

Uma dessas mensagens dizia: “Preta, o que é que estás aqui a fazer? Se não tens a pele tão branca como a bandeira da Polónia não devias cá ter vindo”, contou.

Linda Pereira está a ponderar regressar a Portugal: “Os meus familiares obviamente estão com medo. Se eu um dia estiver sozinha, posso não ter a mesma sorte. Em cada uma dessas situações, eu não estava sozinha. Um dia pode acabar muito mal”.

A jovem deixou de sair sozinha à noite, o que limita muito os seus movimentos num sítio em que escurece às 16:00.

É quando fala do trabalho voluntário no âmbito do Corpo Solidário Europeu que mais hesita na ideia de voltar a Portugal antes de concluir na Polónia os 11 meses do programa.

“No meu trabalho com as crianças tenho percebido que tenho tido uma boa influência na vida delas. É uma boa influência ter alguém em termos culturais e mesmo em termos físicos diferente deles”, relatou.

A Lusa contactou a Secretaria de Estado das Comunidades para obter informações adicionais sobre este caso, o que ainda não foi possível até ao momento.

Fonte: CM

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu