Guiné-Bissau/Eleições: PRS apela para o respeito da Constituição do país

Guiné-Bissau/Eleições: PRS apela para o respeito da Constituição do país

O Partido de Renovação Social (PRS) apelou à comunidade internacional, principalmente à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, para respeitar a soberania e a Constituição da Guiné-Bissau.

Num comunicado, divulgado na quarta-feira ao final do dia depois de uma reunião da direção do partido, o PRS, terceiro partido mais votado no parlamento, apela à comunidade internacional para “respeitar a soberania constitucional”, e pede “paridade de tratamento” em relação a outros países onde a situação de crise é “mais crítica” e as suas “soberanias não são beliscadas”.

Uma missão conjunta internacional, composta por elementos da CEDEAO, União Africana, ONU e Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) esteve entre domingo e segunda-feira na Guiné-Bissau para avaliar os preparativos das eleições presidenciais, marcadas para 24 de novembro.
Num comunicado emitido no final da visita, a missão salientou que as eleições presidenciais devem “imperativamente” realizar-se até ao final deste ano, que o escrutínio vai ser organizado pelo Governo que saiu das legislativas de março e os cadernos eleitorais a serem utilizados são os usados no anterior escrutínio, salvo consenso de todos os intervenientes para introduzir omissões.

O partido líder da oposição do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15) também lamentou na quarta-feira que os chefes de Estado e de Governo da CEDEAO tenham decidido manter o atual executivo até à realização das presidenciais.

O Madem-G15 relembra que “qualquer Governo, após eleições legislativas, é um Governo de legislatura e emanação parlamentar e, portanto, sujeito à Constituição e às demais leis da República”.

O atual Governo foi nomeado depois da realização de eleições legislativas, ao contrário do anterior, que foi formado sob os auspícios da CEDEAO, com o único objetivo de organizar legislativas.

O PRS critica também o que considera ser o “silêncio” da comunidade internacional em relação a propostas e manifestações feitas pelos partidos políticos e candidatos aos “obscuros atos preparatórios das eleições presidenciais”.
As eleições presidenciais estão previstas para 24 de novembro e a segunda volta, caso seja necessária, será em 29 de dezembro.

A campanha eleitoral tem início em 01 de novembro.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu