GUINÉ-BISSAU E SENEGAL RENOVAM ACORDO NO SETOR DE PESCA

GUINÉ-BISSAU E SENEGAL RENOVAM ACORDO NO SETOR DE PESCA

Os ministros das Pescas da Guiné-Bissau e do Senegal rubricaram hoje, em Bissau, um protocolo para permitir que armadores artesanais e industriais guineenses e senegaleses pesquem nas águas dos dois territórios e cuja vigência é de dois anos.

O protocolo, rubricado por Adiatu Nandigna, ministra das Pescas guineense, e Omar Gueye, ministro das Pescas e Economia Marítima do Senegal, vai balizar as normas de aplicação prática de uma convenção no domínio das pescas existente entre a Guiné-Bissau e o Senegal, desde 1978.

A convenção, rubricada ao abrigo de um tratado de boa vizinhança no âmbito da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), prevê a partilha de alguns recursos entre os países vizinhos e que armadores dos dois países exerçam atividades nas águas territoriais dos dois Estados.

Fonte do Ministério das Pescas guineense disse à Lusa, contudo, que os pescadores da Guiné-Bissau não exercem atividades na parte senegalesa “talvez devido à abundância dos recursos na zona guineense ou então por falta de meios de pesca”.

À luz do novo protocolo hoje assinado, estão autorizadas a pescar nas águas da Guiné-Bissau até 300 embarcações senegalesas de pesca artesanal.

A mesma fonte do Ministério das Pescas guineense indicou à Lusa que o Senegal nunca ultrapassou 26 embarcações de pesca industrial no âmbito da convenção e logo que atingem um certo volume de captura, ao abrigo do chamado esforço de pesca, a parte senegalesa é automaticamente notificada a parar.

Os dois ministros acordaram aumentar em quatro por cento o valor a pagar na conceção das licenças, tanto para a pesca artesanal como para industrial, e aumentar em 17% o volume da descarga do pescado capturado, para abastecer o mercado guineense, bem como aumentar o número de marinheiros locais nas embarcações.

A ministra guineense das Pescas, Adiatu Nandigna salientou “o espírito de boa vizinhança e amizade” existentes entre os países, mas realçou o facto de o Governo de Bissau pretender levar o setor das pescas a contribuir para a entrada de receitas nos cofres do Estado e a criar empregos para jovens e mulheres.

Nandigna pediu que se reforcem medidas de controlo do acordo que, disse, passarão essencialmente pelo combate às atividades de pesca ilegal.

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu