Grupo vietnamita vai comprar toda a castanha de caju produzida na Guiné-Bissau

Grupo vietnamita vai comprar toda a castanha de caju produzida na Guiné-Bissau

O grupo vietnamita T&T assinou um memorando com o Governo da Guiné-Bissau para comprar toda a produção anual de castanha de caju, entre as 150.000 e as 200.000 toneladas, noticiou a imprensa oficial do Vietname.

O memorando foi assinado no dia 06, em Hanói, capital do Vietname, pelo ministro do Comércio, Indústria e Turismo, Vicente Fernandes, e pelo presidente do conselho de administração e diretor-executivo do Grupo T&T, Do Quang Hien.

O documento assume ainda que o Governo de Bissau fica responsável pela produção, controlo de qualidade, expedição, prazos e canais de pagamento.

De acordo com os dados da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), em 2016, a Guiné-Bissau produziu 153.888 toneladas de castanha de caju.

Com a assinatura do documento, o Grupo T&T passa assim a controlar a totalidade de castanha de caju produzida no país.

De acordo com a rádio estatal vietnamita Voice of Vietnam (VOV), durante as negociações foi também discutida a possibilidade da importação de arroz vietnamita pelo país africano.

Segundo a mesma fonte, o ministro do Vicente Fernandes acredita que a Guiné-Bissau e o Vietname têm muitas semelhanças, com ambos a serem países com economias sustentadas principalmente na agricultura.

Vicente Fernandes crê ainda que a assinatura deste memorando assinala uma nova fase na cooperação bilateral e salientou que a experiência do Grupo T&T na área económica pode ser promissora para ambos os lados.

Nas declarações apontadas pela VOV, o ministro acredita na cooperação entre os dois países em áreas como o desenvolvimento de infraestruturas, portos e formação de recursos humanos.

O ministro-adjunto da Indústria e Comércio vietnamita, Do Thang Hai, sublinhou o grande potencial para as exportações de arroz e castanha de caju entre os dois países.

A castanha de caju é o principal produto de exportação da Guiné-Bissau e motor do crescimento económico, mas o produto ainda não é transformado no país.

Segundo estudos realizados no país, a Guiné-Bissau podia ganhar dez vezes mais se aproveitasse o fruto e transformasse a castanha em amêndoa no país.

Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu