Ex-árbitro João Ferreira ministra curso de reciclagem na Guiné-Bissau

Ex-árbitro João Ferreira ministra curso de reciclagem na Guiné-Bissau

O antigo árbitro internacional português João Ferreira está a ministrar uma ação de reciclagem a 30 árbitros de futebol na Guiné-Bissau, dando ênfase às alterações às leis do jogo, numa formação promovida pelas federações dos dois países.

Acompanhado de Aníbal Fialho, do comité de observação de árbitros, João Ferreira disse à Lusa, no intervalo da formação que termina no sábado, que a reciclagem se enquadra no âmbito da cooperação entre a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a congénere guineense, visando a preparação do início da época futebolista na Guiné-Bissau.

João Ferreira indicou que, “basicamente, tem estado a replicar” as mesmas informações que dá aos árbitros portugueses na qualidade de formador da FPF.

A reciclagem aos 30 árbitros guineenses incide, sobretudo, sobre as alterações às leis do jogo, nomeadamente, como ajuizar situações de bola na mão, as entradas, a gestão técnica e disciplinar do jogo e a proteção da imagem do árbitro, precisou João Ferreira.

Confessando-se desconhecedor do nível do futebol da Guiné-Bissau, o antigo árbitro português disse ter ficado com a impressão de que o país tem poucos elementos daquela classe e que é preciso recrutar e formar mais juízes.

A formação que é ministrada por João Ferreira, árbitro que se retirou em 2013, conta com três mulheres. Uma delas, Patrícia Sanhá, 29 anos, árbitra de futebol há quatro, que disse à Lusa que “está a gostar da formação pelo facto de ser coordenada por pessoas que falam português”.

“Assim é mais fácil o entendimento. Antes os formadores eram quase todos de países que falam francês”, defendeu Sanha, que quer que a mesma reciclagem seja feita a treinadores e aos jogadores, para melhorar a gestão do jogo.

Técnica formada pela Escola Nacional do Desporto, Patrícia Sanhá tem como meta nos próximos anos atingir a categoria de árbitra internacional e apelou às mulheres para se dedicarem à arbitragem, por não aceitar que é uma atividade só para homens.

Há dez anos, a Guiné-Bissau chegou a ter 10 mulheres árbitras, mas neste momento só estão naquela atividade Patrícia Sanha e mais duas colegas.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu