ECONOMIA DA GUINE-BISSAU PODE ATINGIR EM 2018 UMA TAXA DE CRESCIMENTO A ORDEM DE 6,2%

ECONOMIA DA GUINE-BISSAU PODE ATINGIR EM 2018 UMA TAXA DE CRESCIMENTO A ORDEM DE 6,2%

O Conselho Nacional de Crédito (CNC), anunciou esta quarta-feira (20.06) que a perspectiva económica do país pode atingir uma taxa de crescimento de 6,2% em 2018 contra 5,9% em 2017, se houver uma boa campanha de comercialização da castanha de caju, principal produto da exportação da Guiné-Bissau.

Segundo informações transmitidas à imprensa no final da segunda reunião do CNC, a inflação vai se manter em 2018 abaixo de 3% e as contas externas do país deverão atingir de 10 mil milhões de francos cfa, contra 16 mil milhões de francos cfa em 2017.

Aos jornalistas, a diretora Nacional do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), Helena Nosoline Embaló, frisou que o conselho vai continuar atento a gestão financeira do país e incentiva o executivo implementar as politicas e reformas que te vindo a fazer nos últimos meses para o crescimento da economia.

“O conselho nacional de crédito permanece atento a gestão financeira e incentiva o executivo a implementar as políticas e perseguir com as reformas que tem levado a cabo para poder preservar por um lado a sustentabilidade da divida e estabilidade financeira e por outro lado para promover a diversificação económica e crescimento inclusivo”, explicou Nosoline Embaló.

Apesar destas previsões do crescimento da economia, Nosoline Embaló fez lembrar que no ano passado, nesta altura, a Guiné-Bissau já havia exportado muitos contentores da castanha e agora o país esta deparar com a situação em que há certo retraimento. Embora mostrou-se confiante em relação as medidas tomadas pelo executivo em relação sobre a comercialização da castanha.

Em conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro, Aristides Gomes, Embaló, sustenta que a preocupação sobre a situação da comercialização vai manter até ao fim da campanha devido a falta da dinâmica que caracterizou a vendo do produto em 2017.

Em relação ao BCEAO, Embaló, revela que a instituição já implementou varias novas açoes, nomeadamente o aumento da capital aos bancos comerciais que passou agora para 10 mil milhões de francos cfa e a criação de um gabinete de informação de crédito, depósito de apoio as pequenas e médias empresas, para criar oportunidades aos bancos para melhorar o financiamento da economia no país.

A directora nacional da instituição, encorajou ao sector privado para apresentar projectos viáveis e inovadores que possam que permitir ao emprego para os jovens guineenses, a redução da pobreza no país e um crescimento mais inclusivo.

Durante a reunião que decorreu nas instalações da BCEAO em Bissau, o CNC foi igualmente informado das decisões formuladas do encontro do Comité de Política Monetária do BCEAO de 06 de Junho de 2018, nomeadamente a manutenção das taxas diretoras do Banco Central, designadamente a taxa do mercado e do balcão de refinanciamento em 2,50% e 4,50% respectivamente, assim como da manutenção do coeficiente de reservas obrigatórias em 3%.

Por: Alison Cabral

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu