DOMINGOS SIMÕES PEREIRA: “JOMAV VAI SER RESPONSABILIZADO JUDICIALMENTE CASO NÃO EXPLICAR DE ONDE VEIO O DINHEIRO QUE ESTÁ A UTILIZAR NA FUNDAÇÃO “MON NA LAMA”

DOMINGOS SIMÕES PEREIRA: “JOMAV VAI SER RESPONSABILIZADO JUDICIALMENTE CASO NÃO EXPLICAR DE ONDE VEIO O DINHEIRO QUE ESTÁ A UTILIZAR NA FUNDAÇÃO “MON NA LAMA”

O Presidente Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC), instou na passada terça-feira (19 de Setembro de 2017) aos guineenses para questionarem ao Chefe de Estado, José Mário Vaz sobre a proveniência do dinheiro que está ser utilizado na fundação “Mon Na Lama” para impulsionar agricultura.

Para Domingos Simões Pereira, caso o Presidente da Republica não esclarecer a proveniência dos fundos, vai ser responsabilizado judicialmente nos órgãos competentes.

Simões Pereira, falava na cidade de Gabu, leste da Guiné-Bissau num comício popular no quadro da comemoração dos 61 anos da fundação do PAIGC e disse que tem todo elemento para acreditar que o dinheiro que esta a ser utilizado na fundação de José Mário Vaz é do primeiro governo, liderado por ele que foi oferecido pela União Económica Monetária Oeste Africana (UEMOA).

“Na altura fomos informados pelo Ministro de Agricultura que a chuva chegaria tarde de maneira que era preciso ensinar os agricultores para usarem o ciclo curto e resolvemos falar com os nossos irmãos da sub-região, onde a UEMOA disponibilizou um bilião de CFA, portanto se o Chefe de Estado utilizar este dinheiro será responsabilizado judicialmente” assegurou o líder do PAIGC.

Durante o seu discurso de 35 minutos perante os dirigentes, militantes e simpatizantes, o líder do partido fundado por Amílcar Cabral, aproveitou para informar aos guineenses que as viaturas oferecidas pelo Rei de Marrocos para os deputados da nação, estão a ser usadas por José Mário Vaz na compra de consciência da população.

“É uma vergonha esta intenção do Chefe de Estado de ficar com viaturas dos deputados da nação para beneficio pessoal, por isso todos guineenses devem assumir a responsabilidade de criticar esta ideia de José Mário Vaz, afirmou Domingos Simões Pereira.

Aquele líder dos libertadores, informou que a celebração de 61 anos da criação do partido de Cabral está acontecer no momento difícil do PAIGC, sendo que o povo guineense está sofrer, devido a crise política vigente no país criado por um grupinho de pessoas que pensam somente em interesses pessoais.

˝Queremos responsabilizar a comunidade internacional, começando pela Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), União Africana (UA), União Europeia (EU) e Nações Unidas afim de assumirem as suas responsabilidades, sendo que foram criados para apoiar países a implementarem regimes democráticos, onde a vontade dos povos prevalece exortou ainda Simões Pereira.

De salientar que no quadro do “Setembro Vitorioso” o PAIGC realizou várias actividades alusiva a comemoração dos 61 anos da criação do partido por Amílcar Cabral e mais cinco camaradas que só terminará no dia 24 do mês em curso data da proclamação da independência da Guiné-Bissau.

//Aguinaldo Ampa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu