DOMINGOS SIMÕES PEREIRA: “IMPASSE NO PARLAMENTO NÃO PODE COMPROMETER NOMEAÇÃO DO NOVO GOVERNO”

DOMINGOS SIMÕES PEREIRA: “IMPASSE NO PARLAMENTO NÃO PODE COMPROMETER NOMEAÇÃO DO NOVO GOVERNO”

O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), afirmou esta terça-feira, 30 de abril de 2019, que o impasse do parlamento da Guiné-Bissau não pode comprometer a nomeação do novo governo resultante das Eleições legislativas de 10 março de 2019.

Domingos Simões Pereira falava à imprensa no final do encontro com a missão de alto da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que está em Bissau para ajudar a resolver o imbróglio no hemiciclo guineense.

Simões Pereira referiu que o PAIGC está comprometido em continuar a trabalhar com os seus aliados políticos para que a próxima sessão parlamentar possa beneficiar de quadro do maior normalidade e aproximação entre as partes.

Aos jornalistas, Pereira assegurou aos jornalistas que o seu partido alertou a CEDEAO que é chegado o momento de aplicar as leis na composição da mesa do parlamento, porque o consenso foi durante o princípio de transição para permitir o país realizar as eleições legislativas de 10 de março.

De acordo com Pereira, uma vez realizada o escrutínio é preciso que a Constituição da República seja a preda do toque.

O antigo primeiro-ministro falava em nome da atual coligação que compõe a maioria no parlamento, nomeadamente o PAIGC, o Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), União para Mudança e Partido da Nova Democracia (PND).

Quase dois meses depois da realização das legislativas na Guiné-Bissau, o novo primeiro-ministro guineense continua sem ser indigitado, apesar de o parlamento já ter enviado para o Presidente, José Mário Vaz, o dossiê da constituição da mesa do órgão legislativo, sem o segundo vice-presidente, e ter comunicado estarem reunidas as condições para a formação do Governo.

Num comunicado da III reunião extraordinária do bureau político daquele partido, realizada segunda-feira, o PAIGC exige ao “Presidente da República o mais rápido cumprimento da sua obrigação constitucional de reconhecer os resultados das últimas eleições legislativas e viabilizar a imediata nomeação do primeiro-ministro e a consequente formação do governo, para se começar a cumprir com as obrigações assumidas com o povo guineense.

Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu