“DESRESPEITO A CONSTITUIÇÃO GERA CRISES NA GUINÉ-BISSAU” – EMÍLIO KAFFT COSTA

“DESRESPEITO A CONSTITUIÇÃO GERA CRISES NA GUINÉ-BISSAU” – EMÍLIO KAFFT COSTA

O Constitucionalista Guineense Emílio Kafft Kosta, defendeu esta quarta-feira (13 de Setembro de 2017) que o fator central de conflitos entre políticos guineenses é o desconhecimento ou desvalorização da constituição da Guiné-Bissau.

Emílio Kafft Kosta, falava em Bafatá, leste da Guiné-Bissau na Universidade de Verão do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), quando fazia uma abordagem global do tema “Consolidação do Estado de Direito Democrático, Promoção da boa governação e a reforma das instituições do Estado”.

“É uma falsa questão, aquela de dizer o importante é mudar a nossa constituição”, afirmou o constitucionalista.

Kafft Kosta disse que enquanto vê sistematicamente os atores políticos guineense a fazer a constituição tapete, onde limpam os seus sapatos, mais problemática se torna a missão de explicar o estado de direito democrático no contexto guineense.

De acordo com, Emílio Kafft Kosta, o poder do povo foi confiscado pelos agentes que já não representam o povo guineense e vivendo num país sem estado.

“Nota-se claramente os nossos titulares do poder a desconsiderar as leis da nação para beneficiar os seus interesses, em vez de suspenderem as suas atividades quotidianas a partir de momento que assumem os cargos políticos, ti vê a elite da classe política a bater-se contra a violação das normais fundamentais do país”, observou ainda Kafft Kosta.

Para além do Constitucionalista guineense Emílio Kafft Kosta, foram convidados diferentes vários especialistas internacionais, incluindo o senegalês Boucounta Djaló, que falará sobre consolidação do Estado de Direito, o professor da Universidade de Direito de Lisboa Eduardo Vera cruz Pinto, e o economista e antigo administrador do Banco Mundial Paulo Gomes.

Na ocasião, o Constitucionalista Português, Eduardo Vera Cruz, na qualidade do orador do tema “Experiencias da Reforma do Estado-lições apreendidas nos países africanos de língua português, assegurou que não democracia sem partidos políticos.

“Os partidos são importantes, mas não pode ser a democracia transformada numa partidocria, porque se não o povo fica esmagado, por tem que haver associativismo, cidadania participativa, empenhamento cultural fora dos partidos”, declarou Vera Cruz.

Sob lema: “o pensamento de Amílcar Cabral vive e se fortifica”, o evento visa importar saberes acadêmicos no campo político entre dirigentes, militantes, simpatizantes e amigos do partido que enfrenta uma crise interna desde Agosto de 2015 e que motivou a expulsão de um grupo de militantes.

Durante três dias em Bafatá, os participantes vão debater temas como: fundamentos ideológicos de Amílcar Cabral à realidade atual, análise crítica dos estatutos do PAIGC e os desafios da democracia, a consolidação do estado direito democrático e a corrupção como elemento destruidor do estado e da sociedade, lê-se na mesma nota do evento na posse na Rádio da Jovem.

//AGUINALDO AMPA E ALISON CABRAL

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

This Post Has One Comment

  1. De fato o nosso povo precisam ser bem informados a respeito da política e Dos seus direitos e deveres .

Deixe uma resposta

Close Menu