CRIADA NA GUINÉ-BISSAU PRIMEIRA FEDERAÇÃO DE MULHERES EMPRESÁRIAS DO PAÍS

CRIADA NA GUINÉ-BISSAU PRIMEIRA FEDERAÇÃO DE MULHERES EMPRESÁRIAS DO PAÍS

A Guiné-Bissau conta a partir de hoje com uma federação das mulheres empresárias e empreendedoras, uma estrutura que será integrada na Confederação de Empresários da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP).

A primeira-dama da Guiné-Bissau, Rosa Vaz, ao presidir às cerimónias do lançamento oficial da federação, instou as entidades competentes no sentido trabalharem para a abolição de vistos entre os cidadãos da CPLP, a abolição da dupla tributação e ainda na questão das equivalências académicas.

A antiga secretária de Estado guineense da cooperação internacional, Munira Jauad, que impulsionou a iniciativa, na sua qualidade de uma das vice-presidentes da confederação das mulheres da CPLP, disse à Lusa “acreditar muito na força da nova estrutura”.

“As mulheres estão a ajudar a CPLP”, defendeu Munira Jauad, uma das mais destacas empresárias da Guiné-Bissau e que agora pretende ver outras mulheres em trocas comerciais e parcerias com as demais do espaço lusófono.

Jauad acredita que atualmente a Guiné-Bissau tem mais empresárias de que homens em negócios, citando as comerciantes do país em Cabo Verde, no Senegal e em Portugal, onde são as principais vendedoras da terra, disse.

“Os homens ficam-se só pelo caju e no negócio da madeira”, notou a responsável que quer ver todas as mulheres guineenses congregadas na federação, que as poderá levar a ter “outros mercados” nos países da CPLP.

No evento de hoje, em Bissau, compareceram cerca de 200 mulheres, mas Munira Jauad pretende juntar na nova estrutura todas as empreendedoras: “aquelas mulheres que trabalham por conta própria e dão sustento à sua família”.

Em termos práticos, Jauad quer que a federação também sirva de “embaixadora da CPLP” nos mercados de países vizinhos da Guiné-Bissau.

O guineense José Medina Lobato, secretário-geral da CE-CPLP, elogiou a criação da federação das mulheres empresárias e empreendedoras da Guiné-Bissau e garantiu estar na agenda da organização as preocupações hoje levantadas.

As mulheres guineenses, nas vozes de várias intervenientes, exortaram as estruturas da CPLP a resolver “questões pertinentes”, nomeadamente a mobilidade de pessoas, bens, capitais e serviços, a dupla tributação e o reconhecimento das equivalências profissionais.

Medina Lobato defendeu que estas e outras questões estão na agenda de todas as estruturas estatais e não estatais da comunidade lusófona, bem como a criação da marca CPLP.

Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu