CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU REJEITA MUDANÇA DE PODER DECIDIDA PELO PRESIDENTE DA GUINÉ-BISSAU

CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU REJEITA MUDANÇA DE PODER DECIDIDA PELO PRESIDENTE DA GUINÉ-BISSAU

O Conselho de Segurança das Nações Unidas apelou ao respeito pela data das próximas eleições presidenciais na Guiné-Bissau, rejeitando a mudança de poder decidida pelo presidente guineense.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou, por unanimidade, a mudança de poder decidida pelo presidente da Guiné-Bissau, apelando ainda ao respeito pela data das próximas eleições presidenciais naquele país.

A declaração das Nações Unidas foi adotada na quinta-feira, no mesmo dia em que o presidente guineense, José Mário Vaz, deu posse ao novo governo de Faustino Imbali, dias depois de ter destituído o Executivo liderado por Aristides Gomes.

A adoção da declaração do Conselho de Segurança foi resultado de uma reunião à porta fechada na quinta-feira, convocada a pedido dos três membros africanos deste órgão, no caso a África do Sul, Costa do Marfim e Guiné Equatorial, estando já agendada outra reunião para a próxima segunda-feira, dia 04, de manhã.

No documento, o Conselho de Segurança manifesta “profunda preocupação com a situação política e social” na Guiné-Bissau” e pede “ao presidente José Mário Vaz e ao governo liderado pelo primeiro-ministro Aristides Gomes, responsável por liderar o processo eleitoral, que resolvam as suas diferenças num espírito de respeito e de cooperação”, parecendo ignorar a mudança de executivo.

“Exorta os atores políticos da Guiné-Bissau a observarem a máxima contenção, a não recorrerem à violência ou ao incitamento ao ódio e a privilegiarem o diálogo com a única maneira de resolver diferenças e preservar a paz e a segurança no país”, lê-se no documento.

O Conselho de Segurança sublinha a “necessidade urgente de realizar as eleições presidenciais de 24 de novembro, conforme acordado, a fim de concluir o ciclo eleitoral que permite uma transferência pacífica de poder ao presidente eleito”.

O órgão das Nações Unidas lembra ainda que pode decidir avançar com sanções contra os que desestabilizam o país, e aproveita para elogiar “a estrita neutralidade” que as forças de segurança e o Exército têm tido até agora.

A Guiné-Bissau vive um momento de grande tensão política, tendo o país neste momento dois governos e dois primeiros-ministros, nomeadamente Aristides Gomes e Faustino Imbali.

O Presidente guineense deu na quinta-feira posse a um novo Governo, depois de ter demitido o Governo liderado por Aristides Gomes na segunda-feira.

A União Africana, a União Europeia, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e as Nações Unidas já condenaram a decisão do Presidente, José Mário Vaz, de demitir o Governo liderado por Aristides Gomes e disseram que apenas reconhecem o executivo saído das eleições legislativas de 10 de março, que afirma continuar em funções.

Fonte: Lusa

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

This Post Has 3 Comments

  1. Tudo que o MADEM G 60 tas a puerta com medo da justição porque sebes que Domingos vai fazer de tudo para ajustição funcionar com deve cer por parti da curupção emtre eles !

  2. A Nação Unidas, tem o papel insuficientes nas resoluções dos problemas insistentes no pais. Há pouco tempo os jovens foram abaliados com balas reias nas manifestações, sem justa causas que levou a este acto de crime orquestradas pelos a gentes policiais da Guiné Bissau!!!!!!! O PR pediu exclarecimentos aos autoridades governamentais mais o presidente do governo liderado pelo corrupto Aristides Gomes negou categoricamente que não houve nenhum acidente mortal neste manifestações!!! Não podemos andar a perder as pessoas assim deste jeito. porque são os seres humanos que foram abatidos nas ruas de capital. Não houve nenhuma única reacção por partes dos representantes das comunidades internacionais e cores diplomatas residentes no pais!!!! Mais não são animais que foram assassinados nesse dia. São filhos da terra que estão manifestar os seus direitos específicos e ingigindo o respeito as leis de democracia no pais. Nesse sentido os jovens foram a correladas , apunhaladas massacradas espancadas, pãoladas pelas autoridades policias!!!

    1. Tudo Isso, é porque estamos inseridos no mundo dos oportunistas, o qual muitas organização internacionais e nacionais só condenam os atos que prejudiquem as suas relação e não, aqueles que prejudicam os cidadãos.

Deixe uma resposta

Close Menu