Compacto do BAD para os PALOP é boa ideia mas países têm de se organizar – Paulo Gomes

Compacto do BAD para os PALOP é boa ideia mas países têm de se organizar – Paulo Gomes

O consultor guineense Paulo Gomes considera que a ideia do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) de criar um Compacto de financiamento para os PALOP é positiva, mas lamentou que esses países de língua portuguesa não estejam organizados.

“O Compacto é uma boa ideia mas o desafio é sempre a capacidade dos lusófonos se organizarem para projetos bem estruturados e constituírem um ‘pipeline’ credível de projetos, e isso falta nos países lusófonos porque nós não estamos organizados para isto, então fica-se pelos anúncios em ocasiões como esta da CPLP, mas depois nada avança”, disse o antigo candidato presidencial nas eleições de 2015 na Guiné-Bissau.

Em entrevista à Lusa no seguimento da participação nos Encontros Anuais do Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank), que decorrem em Abuja até sábado, Paulo Gomes considerou que o sucesso do Compacto, uma iniciativa do Banco Africano de Desenvolvimento para potenciar o financiamento a projetos nos países lusófonos, depende das pessoas que participarem no projeto.

“Depende dos atores que utilizam para essa reflexão”, disse Paulo Gomes quando questionado sobre as expectativas para o Compacto, acrescentando que “há vários quadros no mundo da CPLP que existem em bancos privados, públicos e instituições financeiras, que conhecem os meandros destas realidades, que deviam ser envolvidos mesmo trabalhando ‘pro bono’ para dinamizar estas iniciativas”.

O Compacto de financiamento para os países lusófonos tem como principais objetivos “mobilizar fundos financeiros privados, fundos soberanos e o setor privado para facilitar projetos de infraestrutura com a capacidade para transformar os países lusófonos africanos”, de acordo com documentação distribuída numa reunião de trabalho com representantes governamentais dos países lusófonos, durante os Encontros Anuais do BAD, em Busan, e a que a Lusa teve acesso.

O documento de apresentação do Compacto explica ainda que o objetivo é também “alavancar oportunidades relevantes para os PALOP dentro do âmbito mais alargado do Fórum de Investimento Africano, em particular, e ajudar a fechar o desfasamento entre o capital disponível e os projetos bancáveis”.

O terceiro objetivo, segundo a documentação, é “dar apoio às políticas e assistência técnica aos PALOP para usarem o crescimento rápido dos mercados regionais e global, e delinear um fluxo de projetos rentáveis”, a que a se junta, por último, a “melhoria do clima de investimento” nestes países.

A ideia do Compacto foi lançada em novembro do ano passado quando o Presidente do BAD visitou Portugal, tendo sido subsequentemente desenvolvida em março, durante uma deslocação da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação portuguesa, Teresa Ribeiro, a Abidjan, a capital económica da Costa do Marfim e que é a sede do BAD, e nos Encontros Anuais do BAD, em Busan, Coreia do Sul.

O Afreximbank, cujos Encontros Anuais decorrem até sábado em Abuja, a capital da Nigéria, é um banco de apoio ao comércio, exportações e importações em África e foi criado em Abuja, 1993. Tem um capital de 5 mil milhões de dólares e está sedeado no Cairo.

Os acionistas são entidades públicas e privadas divididas em quatro classes e dele fazem parte governos africanos, bancos centrais, instituições regionais e sub regionais, investidores privados, instituições financeiras, agências de crédito às exportações e investidores privados, para além de instituições financeiras não africanas e de investidores em nome individual.

LUSA

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu