CEDEAO PROPÔS ATORES POLÍTICOS GUINEENSES A MANUTENÇÃO DOS CADERNOS ELEITORES DAS LEGISLATIVAS PARA AS PRESIDENCIAIS DE NOVEMBRO

CEDEAO PROPÔS ATORES POLÍTICOS GUINEENSES A MANUTENÇÃO DOS CADERNOS ELEITORES DAS LEGISLATIVAS PARA AS PRESIDENCIAIS DE NOVEMBRO

A missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), propôs aos partidos políticos com assento no parlamento e candidatos independentes às eleições presidenciais a manutenção dos cadernos eleitorais das eleições legislativas de março passado, para o próximo pleito de novembro na Guiné-Bissau.

A intenção da CEDEAO foi transmitida aos atores políticos guineenses, incluindo o Chefe de Estado, José Mario Vaz, por via de uma delegação de alto nível da organização sub-regional que esteve esta segunda-feira, 09 de setembro de 2019, em Bissau, para avaliar os preparativos para as eleições presidenciais na Guiné-Bissau, marcadas para 24 de novembro.

Além da proposta para a manutenção dos cadernos eleitorais, a CEDEAO espera que as eleições presidenciais decorram na data marcada ou antes do final do em curso

Em declarações aos jornalistas à saída do encontro com a missão de alto nível da organização sub-regional, o líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e candidato presidencial, Domingos Simões Pereira, congratulou-se com a proposta e foi mais longe pedindo que se assine um termo de compromisso nesse sentido para evitar futuras contestações por parte dos atores políticos.

O Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau (Madem-G15), transmitiu a missão sub-regional que continua a defender a realização de um novo recenseamento para as presidenciais de novembro ou atualização dos cadernos eleitorais.

De acordo com o porta-voz do Madem G15, Djibril Baldé, um novo recenseamento ou atualização dos cadernos eleitorais são duas disposições legais que possam evitar contestações do processo.

O líder da bancada parlamentar do Partido da Renovação Social (PRS), Sola Nquilin voltou a considerar de ilegal a iniciativa do executivo de fazer a consolidação do registo eleitoral às eleiçoes presidenciais de 24 novembro.

O lider do Partido da Unidade Nacional(PUN) e candidato às eleiçoes presidenciais, Idrissa Djaló, entende que o mais importante neste momento é permitir ao povo guineense escolher o seu novo Presidente da República para os proximos 5 anos

A Guiné-Bissau vai realizar eleições presidenciais a 24 de novembro, mas o trabalho do Governo para consolidar os cadernos eleitorais através da correção de falhas técnicas que impediram quase 25.000 eleitores de votar nas legislativas está a provocar polémica, nomeadamente com os partidos na oposição e com alguns candidatos independentes.

O Madem G15 e o PRS, ambos na oposição, bem como a Assembleia do Povo Unido – Partido Social Democrata da Guiné-Bissau (APU – PDGB), no Governo, recusaram-se a indicar fiscais para o processo de correção das omissões nos cadernos eleitorais, por não concordarem com a iniciativa, e têm defendido a realização de um novo recenseamento ou a sua atualização.

As eleições presidenciais estão orçadas em 5,9 milhões de euros.

O mandato do atual chefe de Estado, José Mário Vaz, candidato à sua sucessão, terminou formalmente em 23 de junho.

A CEDEAO tem mediado a crise política na Guiné-Bissau desde 2016.
Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu