CADOGO:”O PRINCIPAL MOTIVO DA MINHA CANDIDATURA É A ESTABILIDADE POLITICA E SOCIAL”

CADOGO:”O PRINCIPAL MOTIVO DA MINHA CANDIDATURA É A ESTABILIDADE POLITICA E SOCIAL”

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, afirmou, esta quarta-feira, 14 de agosto de 2019, que a razão principal da sua candidatura as eleições presidenciais de 24 novembro de 2019 é garantir a estabilidade política e social ao povo guineense.

“O segredo está tão só e apenas na estabilidade política e social do país, para assim, mostrar ao mundo de que a Guiné-Bissau é uma nação em processo dinâmico de integração, com uma riquíssima história”, declarou Gomes Júnior.

Discursando na cerimônia oficial do lançamento da sua candidatura, na ponta gardete, sector de Prabís, Gomes Júnior assume o desafio que a história da sua epopeica emancipação lhe reservou e encarar o futuro com única ambição de vencer e afirmar-se como nação de bem e do progresso.

De volta a Bissau, depois de cinco anos de asilo político em Portugal, Junior, deposto no golpe militar em abril de 2012, disse que no contexto deste patriótico desafio, sua missão será de promover uma cultura de paz, diálogo permanente, assente no respeito e consideração pelo próximo, qualquer que seja a sua origem, sexo, condição econômica ou social.

“Empenhar-me-ei na promoção de uma cultura de verdade, que saiba compreender e perdoar os erros do passado, uma cultura que priorize a justiça, a responsabilidade social, a legitimidade institucional, a tolerância, a solidariedade e a equidade”, vincou Gomes Júnior.

Conhecido entre amigos por “Cadogo”, afirma que a magistratura presidencial tem de se orientar e enquadrar-se dentro dos parâmetros constitucionais e das leis e o Chefe de Estado deve ser o garante da constituição da republica.

O antigo governante guineense, que foi presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo˗ Verde (PAIGC) durante 12 anos, revela que caso for eleito Presidente da República vai desenvolver com o executivo uma relação institucional na base das leis e na sã conivência e interação de poderes e competências.

No plano externo, Cadogo revela que, caso for eleito, velará para reforçar os laços de amizade e cooperação entre os povos do mundo, muito particular, com da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Nesta cerimonia para além da presença dos seus diretos colaboradores, o antigo Presidente da República, Raimundo Pereira, Fernando Mendonça e Fernando Gomes, podemos destacar presença de Tomas Gomes Barbosa e Manuel Irenio de Nascimento Lopes, ambos dirigentes do Movimento de Alternância Democrática (MADEM-G15).

Carlos Gomes Júnior foi afastado do Governo na sequência do golpe de Estado de 12 de abril de 2012, na noite da véspera da segunda volta das eleições presidenciais de então, a que se apresentava contra Kumba Ialá, o carismático líder do Partido da Renovação Social (PRS) e que foi Chefe de Estado guineense entre 2000 e 2003, altura em que foi derrubado também através de uma sublevação militar.

Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

This Post Has 2 Comments

  1. A sua candidatura será instabilidade politica!!

  2. Ka bô votal dê, na se mandato mangadel de crimenes que comitido, dinhero kaba i bim busca más!!

Deixe uma resposta

Close Menu