«BRUNO DE CARVALHO ORDENOU O RAPTO DE BRUMA»

«BRUNO DE CARVALHO ORDENOU O RAPTO DE BRUMA»

A acusação é feita por Cátio Baldé, empresário do avançado que diz ter sido «a primeira vítima de Bruno de Carvalho e do seu exército da Juve Leo».

Tudo aconteceu no verão de 2013 «no rescaldo da rescisão com o Sporting e nos primeiros dias do mandato de Bruno Carvalho». Uma «fuga de informação» levou a Juve Leo «a montar uma emboscada» a Bruma junto ao hotel onde o jogador se encontrava instalado em Sete Rios.

«Quando Bruma chegou no seu novinho Mercedes, mal saiu de carro foi cercado por leões da Juve Leo, rapazes bronzeados, tatuados e carecas. A primeira conversa para Bruma “tens que nos acompanhar porque o presidente Bruno de Carvalho quer falar contigo», recordou Cátio Baldé em nota enviada às redações.

A viver «o maior pesadelo que um jovem de 18 anos pode viver», Bruma conseguiu entrar no carro e fugir pela IC19. Durante a fuga ligou a Cátio Baldé e Bebiano Gomes e disse que estava a ser «perseguido e vítima de tentativa de rapto por parte de adeptos do Sporting». O empresário e o advogado correram em seu auxílio e já em Monte Abraão/Massamá confrontaram os perseguidores. «Bruma tem que ir falar com o presidente», responderam.

Enquanto Bruma e Baldé discutiam com os alegados membros da claque leonina, Bebiano Gomes ligou para a polícia. «Quando se aperceberam da chegada da PSP, meteram-se nos carros e arrancaram dali sem antes de deixar mensagens bem claras para Bruma e para mim. Ameaças de que nos iam apanhar», recordou o agente, que depois levou o jogador para fazer participação do sucedido à autoridades.

«Por causa desta situação, e enquanto se decidia a rescisão, tomámos a decisão de Bruma sair de Portugal por questões de segurança. Esteve acantonado durante três semanas no Dubai à espera da decisão», lembrou Cátio Baldé antes de atirar:

– Ficou bem claro que foi Bruno de Carvalho a ordenar o rapto de Bruma para ser conduzido ao estádio com intenções claras de o obrigar a assinar o novo contrato. Eu próprio fui perseguido e ameaçado no Campo Grande.

Uma confirmação que surgiu mais tarde: «Após a decisão que não reconheceu o pedido de rescisão, reuni com Bruno de Carvalho e chegámos a um acordo para a transferência para o Galatassaray, da Turquia. Nessas reuniões, a sós com Bruno de Carvalho, ele confessou-me que aquela situação do hotel com os adeptos era somente para assustar e falar com Bruma.»

Fonte: A bola 

 

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Google+
Google+
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu