ARMANDO MANGO: “A GUINÉ-BISSAU NÃO ESTÁ FINANCEIRAMENTE EM CONDIÇÕES PARA FAZER NOVO RECENSEAMENTO ELEITORAL”

ARMANDO MANGO: “A GUINÉ-BISSAU NÃO ESTÁ FINANCEIRAMENTE EM CONDIÇÕES PARA FAZER NOVO RECENSEAMENTO ELEITORAL”

O ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares e Porta voz do governo, Armando Mango, afirmou, esta sexta-feira, 16 de agosto, que a Guiné-Bissau não tem condições financeiras, neste momento, para realizar um novo recenseamento para as presidenciais de 24 novembro do ano em curso.

“Independentemente da legalidade ou ilegalidade de fazer um recenseamento de raiz, custa muito dinheiro fazer um recenseamento e a Guiné-Bissau não esta financeiramente em condições de o fazer”, insistiu Mango.

Na cerimônia de apresentação do Plano Operacional para a Consolidação do Registo Eleitoral(POCRE) para eleições presidenciais, Armando Mango lembrou aos partidos políticos que não é razoável e aceitável que a comunidade internacional ajude de novo o país a fazer um recenseamento eleitoral.

Apesar das constantes críticas dos partidos políticos relativamente a decisão do executivo guineense de fazer as correções das omissões no caderno eleitoral, o governante revela que o executivo está disponível e aberto para ouvir contribuição validas para incorporar no processo.

Dirigindo-se diretamente aos partidos políticos presentes no encontro, Armando Mango sublinha que o executivo continua a defender que é da pura justiça que os cidadãos já recenseados aquando das eleições legislativas possam votar nas presidenciais de novembro.

Na sua breve intervenção, Mango disse que o executivo liderado por Aristides Gomes está aberto ao diálogo, e espera que a contribuição de todos atores políticos possa contribuir para que o processo corra de forma livre, transparente e democrático.

“Queremos dizer aos partidos políticos que o dialogo já começou e vai continuar, e queremos que com as nossas diferenças possamos contribuir para que este processo corra de forma como todos nós queremos: livre, transparente e democrático”, rematou Mango.

Na ocasião, a ministra da Administração Territorial e Gestão Eleitoral, Odete Semedo, revela que o executivo está a dar o seu melhor para que o processo possa abranger todos os cidadãos que haviam sido omissos, no sentido de serem integrados nos cadernos eleitorais a emitir em 24 de outubro do ano em curso.

Durante a sua explanação, Odete Semedo anunciou que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) vai colocar à disposição da Guiné-Bissau auditores, que chegarao ao pais brevemente, para apoiar o processo das eleições presidenciais.

Segundo a indicação da ministra, os trabalhos das correções das omissões vai iniciar no dia 20 de agosto e termina no dia 18 de setembro do ano em curso, em todo o território nacional.

De recordar que os cidadãos em causa não votaram nas últimas eleições de março de 2019, devidos as falhas técnicas a partir do boletim da sua inscrição no ato do recenseamento.

O processo de recenseamento eleitoral para as eleições legislativas de 10 de março foi bastante polémico, com vários partidos políticos, incluindo o Madem-G15, a acusarem o Governo de irregularidade durante todo o processo.

Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu