ARISTIDES GOMES: “É INDISPENSÁVEL QUE O EXECUTIVO ESTEJA INSTALADO ATÉ O DIA 03 DE JULHO”

ARISTIDES GOMES: “É INDISPENSÁVEL QUE O EXECUTIVO ESTEJA INSTALADO ATÉ O DIA 03 DE JULHO”

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes afirmou este domingo, 30 de junho de 2019, que é indispensável a efetivação do novo elenco governamental pelo Chefe de Estado Cessante, José Mário Vaz até o dia 3 julho, como recomenda a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), à margem da última cimeira da CEDEAO, que decorreu na Abuja, Nigéria no sábado.

“Eu acho que nós vamos trabalhar para cumprir com este arranjo da organização sub-regional. Nós vamos fazer os possíveis e é indispensável que o executivo esteja instalado e toma posse até o dia 3 de julho do ano em curso”, declarou Gomes.

Em declaração aos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira, em Bissau, depois da sua chegada da 55.ª cimeira de chefes de Estado e de Governo da organização, Gomes, revela que quanto aos resultados da cimeira quem ganhou foi a Guiné-Bissau, porque vai permitir o país caminhar para realizar as eleições presidenciais na data marcada.

Aristides Gomes realçou os esforços da organização na busca do entendimento entre atores políticos guineenses, mas fez lembrar ao Presidente da Republica Cessante a respeitar a vontade popular expressa nas urnas no dia 10 de março.

“Nós não estamos no período que antecedeu o dia 23 de junho, agora o executivo tem que assumir as suas responsabilidades, são responsabilidade que decorrem da sua legitimidade que vem da constituição de uma coligação que imerge das eleições legislativas”, vincou Gomes.

Confrontado pela imprensa se manter a mesma lista da composição do futuro governo já entregue ao Chefe de Estado Cessante, Gomes afirma que a composição dos membros do governo é da responsabilidade do partido vencedor das eleições legislativas.

Além do apelo a nomeação do elenco governamental, os líderes da África Ocidental também indicaram ao Presidente Cessante a exoneração do Procurador-Geral da Republica (PGR).

Neste sentido, Gomes afirma que para nomeação do novo PGR deve a ver um entendimento entre a presidência guineense e a prematura, porque o país não está num período em que os poderes estavam distribuídos de forma constitucional.

De referir que a CEDEAO ordenou que o executivo tome posse até 03 de julho. A decisão foi tomada durante a cimeira, na qual foi deliberado também que “Jomav”, vai permanecer em funções até eleições de um novo Chefe de Estado, tento que deixar a gestão das questões governamentais para líder do governo, e para o novo executivo.

A crise política continuava na Guiné-Bissau depois de José Mário Vaz ter recusado por duas vezes nomear para o cargo de primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, presidente do PAIGC, partido mais votado nas eleições de 10 de março.

O vencedor das eleições acabou por indicar Aristides Gomes, nome aceite pelo Presidente, que, no entanto, não nomeou o Governo indicado pelo novo primeiro-ministro até ao dia 23 de junho, violando assim o prazo estipulado pela CEDEAO para o fazer.

Por: AC

Partilhar esta notícia...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

Close Menu